A carta de motivação ou apresentação é daqueles documentos que todos sabem que precisam, mas na realidade ninguém sabe fazer. Pessoalmente e como recrutadora profissional, detesto ler cartas de motivação, não por não acreditar na sua utilidade, mas porque quase sempre se revela um verdadeiro sacrifício, isto é 99% dos profissionais não compreende a sua verdadeira importância e por esse facto limitam-se a escrever umas frases sem ligação à sua candidatura ou curriculum vitae.

Para podermos compreender a sua verdadeira importância e utilidade, é fundamental entender primeiro para que serve uma Carta de Motivação ou Apresentação. Na realidade, este documento mais não é que um teaser para o seu curriculum vitae ou outra documentação relevante para o sucesso da sua candidatura, ou seja, são 4 parágrafos que entusiasmam e motivam o potencial empregador ou recrutador a querer ler o seu curriculum vitae. Se entender e interiorizar este objectivo vai perceber que a forma como redige a sua carta vai ser completamente diferente do que tem feito até agora.

Posto isto, é altura de por mãos à obra e começar a escrever a sua carta! Para que o possa fazer é necessário que tenha existido no mínimo um estudo prévio ou da função a ser recrutada ou da organização para a qual se está a candidatar, idealmente deverá fazer dos dois. Este estudo poder ser alcançado através do seu networking/rede de contactos ou por via da pesquisa através de motores de busca. Certifique-se apenas que a informação obtida é fidedigna. Esta credibilidade ao nível da informação pode ser a diferença entre ser chamado para uma entrevista de emprego ou ver o seu curriculum vitae completamente ignorado.

Pois bem, uma carta de motivação ou apresentação deve demonstrar o seu nível de adequabilidade ou qualificação para a função ou organização em causa e por esse motivo deve ser seguir determinadas diretrizes. Em primeiro lugar, dirija-se à pessoa responsável pelo processo de recrutamento em causa ou em última análise ao responsável de recursos humanos ou pessoa com o pelouro do recrutamento. Isto significa que o seu modo de redação deve ser ligeiramente mais informal do que formal, utilizando por exemplo o nome da pessoa em causa.

Em segundo lugar, seja conciso na sua carta de motivação ou apresentação, ou por outras palavras seja objectivo na sua abordagem ao potencial empregador. Se de facto, acredita que tem as competências e experiência profissional adequada e necessária para o desempenho da função ou integração na organização, não hesite, diga-o ou demonstre-o sem rodeios! Valorize-se sem parecer arrogante!

Em terceiro lugar, nunca, e quando digo nunca, é mesmo nunca use a mesma carta de motivação ou apresentação em mais do que um processo de recrutamento ou candidatura. Lembre-se que um processo de selecção é único e está de acordo com contextos específicos, e por esse motivo, a sua carta deve contemplar esta abordagem correcta e direccionada. Se utilizar o mesmo texto alterando informações institucionais apenas, significa que a sua carta vai ficar descontextualizada e o objectivo inicial perde-se!

Finalmente, seja criativo e nunca se esqueça que os empregadores também são pessoas e por esse facto também respondem a estímulos. Isto significa que empatia também se pode estabelecer logo numa carta de motivação ou apresentação. Depende si!

leave a Comment